quarta-feira, 31 de março de 2010

Street Fighter 4 rejeita capoeirista

PARA OS FÃS DE GAMES COMO EU...

Os produtores do Super Street Fighter 4 vetaram a participação de um capoeirista entre os novos personagens do jogo.

A informação divulgada no Brasil pelo Games Terra, tem como fonte o blog Capcom Unity, que é o blog oficial da Capcom Corporation, a produtora japonesa que assina o jogo.

Yagli Gures, a 
luta praticada por HakanUm representante da nossa capoeira era cotado para novo personagem, mas o escolhido foi o turco Hakan, praticante de Yagli Gures (foto), uma espécie de luta-livre turca, também conhecida como Oil Wres, praticada com lutadores banhados em óleo.
A justificativa dos produtores foi dar prioridade a um estilo inédito, sendo que a capoeira já foi representada em uma edição anterior pela personagem Elena, que apesar de capoeirista, representava o Quênia.

Fonte: Capoeira de Vênus

segunda-feira, 29 de março de 2010

CAPOEIRA: Origem e Significado do Vocábulo


Do minidicionário de língua portuguesa Aurélio Buarque de Holanda Ferreira:

ca.po.ei.ra.1
s. f. 1. Gaiola grande onde se criam e alojam capões e outras aves domésticas. 2. O conjunto das aves domésticas.
 ca.po.ei.ra.2
Bras. s. f. 1. Terreno onde o mato foi roçado e/ou queimado para cultivo da terra, ou outro fim. 2. Jogo atlético individual, com um sistema de ataque e defesa. * S2g. 3. Quem o pratica.
 
Do dicionário eletrônico Michaelis:

ca.po.ei.ra.1
s. f. 1 Mato de pequeno porte que nasceu nas derrubadas da mata virgem. 2. Esp. Jogo atlético de ataque e defesa.
ca.po.ei.ra.2
s. f .2. Jacá para transportar galinhas.
  
            José de Alencar, primeiro estudioso a analisar a palavra CAPOEIRA, em 1865, propôs para a origem do vocábulo o tupi CAA-APUAM-ERA, traduzido por ilha de mato já cortado. A composição da palavra ainda não foi totalmente esclarecida existindo diversas possibilidades para a montagem do vocábulo. Seguindo na proposta de origem em um vocábulo tupi-guarani, as opções mais aceitas pelos pesquisadores são CAÁPUÊRA e COÓPUERA.
           
            Analisando CAÁPUERA, origem proposta em 1880 por Macedo Soares, nas palavras portuguesas de origem guarani, a sílaba CÁ, do guarani CAÁ, significa coisa de mato, planta, floresta virgem ou erva. Enquanto que o adjetivo PUÊRA significa a expressão do pretérito, que quer dizer o que foi, não existe mais. Portanto, pode-se aceitar como significado para a palavra capoeira mato extinto.
           
            Tomando como partida a palavra COÓPUERA,onde COÓ significa roça, a palavra CAPOEIRA tem como significado roça abandonada. Para quem defende essa segunda versão, a palavra passaria de coópuera para capoeira, como evolução natural, assim como já aconteceu com outras palavras.
           
            Também se atribui a palavra CAPOEIRA ao nome popular de uma ave (Opontoohorus Capueira, Soix), também conhecida por URU ou URU-DO-NORDESTE. É uma ave que vive no chão, muito semelhante ao faisão e CAPOEIRAS também eram chamados os caçadores desta ave. Em outro sentido para capoeira, Macedo Soares nos conta que os moleques ou pastores que vigiavam gado, para chamarem uns aos outros e também ao gado, reproduziam o canto da capoeira (URU) assobiando. Dessa forma o moleque que tinha essa missão era chamado capoeira.
           
            Hoje em dia, existem mais de 25 definições para a palavra capoeira, porém na grande maioria, com significados em algum tipo de mato ou ave.
           
            Aqui também podemos abrir um espaço para uma outra face interessante desse assunto, que são as diferentes formas faladas ou escritas, já com a intenção de designar a arte da Capoeira. Em registros do início do século passado e em alguns nem tão antigos (anos 60) encontramos as formas CAPUEIRA, CAPUERA, CAPOERA e CAPOEIREIRO designando o jogo ou os praticantes. CAPOEIRAGEM é outra forma bastante utilizada, principalmente ao analisar os registros do Rio de Janeiro antigo.
           
            Com a origem e o significado morfológico da palavra CAPOEIRA não completamente resolvidos, porém em parte entendidos, podemos começar a analisar a ligação entre o nome tupi-guarani e o nosso "jogo de pernas pro ar".
           
            Ainda que existam pesquisadores que relacionem o jogo da capoeira que nós conhecemos com o comportamento ciumento da ave protegendo seu território, de todas as definições já apresentadas por folcloristas e estudiosos, acredito que duas podem realmente nos levar a origem do nome dessa nossa luta-dança-esporte-música afro-brasileira.
           
            Na primeira delas, os negros escravos, durante suas horas de folga (que de fato eram muito poucas) se reuniam num local de mato rasteiro, já cortado, onde realizavam suas danças, resquícios de um passado livre na África. Danças inofensivas aos olhares dos ioiôs, iaiás e feitores. Nesse ritual, os negros camuflaram um treinamento de luta, e mais do que isso, mantiveram uma ligação entre o processo de aculturação - os horrores na senzala - imposto pela escravidão e as manifestações culturais nativas de seus  povos.
           
            Na segunda, os negros escravos ou forros levavam gaiolas de aves para serem vendidas nos portos e mercados, e enquanto estes não abriam suas portas, os negros se divertiam numa brincadeira de pernadas e cabeçadas.
           
            Neste momento chegamos a um conflito histórico e muito discutido pelos capoeiras e historiadores. Se seguirmos a primeira ligação, onde o negro escravo na senzala se utilizava da dança como um treinamento camuflado visando a liberdade, acabamos por definir o surgimento da capoeira como um fenômeno estritamente rural que foi se expandindo até atingir as cidades. Em contrapartida, adotando a explicação das brincadeiras nos portos, chegamos a um surgimento urbano da capoeira.
           
            Há também quem diga que na origem da capoeira existiu forte influência indígena... mas é inegável a presença dos valores africanos nos rituais...
                                     
Sagu " raphaelmoreno@yahoo.com.br
São Carlos - 20/09/2004

Fontes consultadas:

1. Waldeloir Rego. "Capoeira Angola: um ensaio sócio-etnográfico", Ed. Itapoan, Salvador, 1968.
2. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. Mini dicionário da língua brasileira Escolar.
3. Michaelis. Dicionário eletrônico.
4. Alceu Maynard Araújo. "Folclore Nacional", 1967.

Via: Jornal do Capoeira

sexta-feira, 26 de março de 2010

Nossas inimigas - As Bolhas

Inspirada no Sérgio, um amigo carioca admirador de pés, resolvi fazer este post sobre esses nossos nobres amigos. Mas como não sou podóloga e como nosso blog ainda não tem visibilidade o suficiente para convencer um podólogo a ceder uma entrevista, resolvi fazer uma pesquisa e escolhi as bolhas como tema porque vez ou outra aparece uma nos pés dos capoeiristas.
Descobri uma coisa muito interessante: Não é só o chão que a gente pisa, a umidade dos pés ajuda muito no desenvolvimento das bolhas porque deixa a pele mais sensível ao atrito.
Então existem duas dicas importantes para evitar as bolhas em treinos e rodas. A primeira é não tomar banho pouco tempo antes dos treinos, principalmente banhos longos e com água quente. Vai suar mesmo, né? Então deixa pra tomar o banho depois. A segunda é, nos dias de calor, evitar tênis e sapatos quentes antes dos treinos, afinal o pé soa e fica mais sensível. Então o negócio é ir para o treino de sandália, chinelo ou papete. Mas, se não der pra evitar o tênis e o sapato, pelo menos é melhor escolher uma meia de algodão, que absorve melhor o suor.
Mas se não teve jeito e a bolha apareceu, o melhor é não furar, pois pode causar infecção. Elas levam cerca de duas semanas para secar, enquanto isso é melhor não cutucar, manter a área sempre bem limpa, e proteger o local com um anteparo com um furo no centro. Se a bolha se romper, recorte a pele solta. Pessoas diabéticas devem procurar um médico ou podólogo.

Fontes:
Site Professor Orlando Madella Junior: www.podologiabr.com
Site Clínica dos Pés: www.clinicadospes.com.br

quarta-feira, 24 de março de 2010

O que é Mandinga ?

Pequeno trecho do documentário "Mandinga em Manhattan", dirigido por Lúcia Correia Lima. Vários mestres discorrem sobre o assunto...

Você saberia responder com suas próprias palavras o que é Mandinga?

segunda-feira, 22 de março de 2010

Fora o Racismo - 21 de Março

Ontem, dia 21 de março, é o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial. A data foi instituída em 1969 pela ONU, Organização das Nações Unidas, em referência ao massacre ocorrido em Shaperville na cidade de Joanesburgo, capital da África do Sul, em 21 de março de 1960.

Cerca de 5 mil manifestantes, entre eles homens, mulheres e crianças, se reuniram em Sharpeville, uma cidade negra nos arredores de Joanesburgo, e marcharam em um protesto pacífico contra a Lei do Passe, que obrigava negros e negras a andarem com cartões de identificação que estabeleciam os locais que eles poderiam ou não passar ou frequentar.

No bairro de Shaperville, os manifestantes se depararam com tropas do exército. Mesmo sendo uma manifestação pacífica, o exército representando o regime Apartheid, atirou sobre a multidão com rajadas de metralhadora, matando 69 pessoas e ferindo outras 186. Esta ação ficou conhecida como o Massacre de Shaperville. Em memória à tragédia, a ONU – Organização das Nações Unidas – instituiu 21 de março como o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial. 

O Artigo I da Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial diz o seguinte:

"Discriminação Racial significa qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada na raça, cor, ascendência, origem étnica ou nacional com a finalidade ou o efeito de impedir ou dificultar o reconhecimento e exercício, em bases de igualdade, aos direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou qualquer outra área da vida pública"

Esse episódio trágico chamou, pela primeira vez, a atenção da opinião pública mundial sobre a questão do Apartheid e os horrores realizados na África do Sul em nome desse regime racista.
O racismo se apresenta, de forma velada ou não, contra judeus, árabes, mas sobretudo negros. No Brasil, onde os negros representam quase a metade da população, chegando a 80 milhões de pessoas, o racismo ainda é um tema delicado.

Muito mais do que homenagear as vítimas do massacre, a instituição desta data como dia de combate ao racismo propõe uma reflexão mais intensa sobre a discriminação racial. No Brasil, em especial, onde a discriminação muitas vezes é mascarada, é necessário muito mais atenção para não deixar que atitudes racistas passem desapercebidas e, assim, possam ser consideradas normais no nosso dia-a-dia.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD – em seu relatório anual, "para conseguir romper o preconceito racial, o movimento negro brasileiro precisa criar alianças e falar para todo o país, inclusive para os brancos. Essa é a única maneira de mudar uma mentalidade forjada durante quase cinco séculos de discriminação”.

Aproveite esta data para refletir: você tem ou já teve atitudes racistas?

sexta-feira, 19 de março de 2010

Saúde: Quando você acaba de beber um Refrigerante...


ESTE CONTEÚDO ME FOI ENVIADO POR E-MAIL, RESOLVI FAZER UM PARA DAR UM ALERTA PARA QUEM PRATICA ESPORTES OU NÃO, SEJA CAPOEIRISTA OU NÃO!!!

Prof. Dr. Carlos Alexandre Fett da Nutrição da UFMT em Performance Humana e Estética.

O QUE ACONTECE QUANDO VOCÊ ACABA DE BEBER "UMA" LATA DE REFRIGERANTE

Primeiros 10 minutos:
10 colheres de chá de açúcar batem no seu corpo, 100% do recomendado diariamente.
Você não vomita imediatamente pelo doce extremo, porque o ácido fosfórico corta o gosto.

20 minutos:
O nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina.
O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura (É muito para este momento em particular).

40 minutos:
A absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, a pressão sanguínea sobe, o fígado responde bombeando mais açúcar na corrente. Os receptores de adenosina no cérebro são bloqueados para evitar tonteiras.

45 minutos:
O corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do corpo. (Fisicamente, funciona como com a heroína.)

50 minutos:
O ácido fosfórico empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo.
As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina.

60 minutos:
As propriedades diuréticas da cafeína entram em ação. Você urina.
Agora é garantido que porá para fora cálcio, magnésio e zinco, os quais seus ossos precisariam.
Conforme a onda abaixa você sofrerá um choque de açúcar.
Ficará irritadiço.
Você já terá posto para fora tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas das quais farão falta ao seu organismo.

Pense nisso antes de beber refrigerantes.
Se não puder evitá-los, modere sua ingestão!
Prefira sucos naturais.
Seu corpo e sua saúde agradecem!

Além dos males que este "bendito" produto causa ao organismo humano, há de se levar em conta também o dano que o mesmo causa ao meio ambiente quando se dá preferência pelas garrafas de plástico. Estas demoram séculos para se degradarem.

MINHA OPINIÃO: Então pensem bem antes de tomar refrigerantes, tenho o caso de um amigo que achou um rato em famoso refrigerante de cola cujo o nome não quero falar...
Deem uma lida AQUI também para ver que o assunto é mais grave do que se imagina.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Encontro e Jogos Femininos - Maio 2010

De 20 a 23 de Maio de 2010
Aberto para as mulheres de todas as graduações da ABADÁ-Capoeira

Programação

Dia 20 de Maio (Quinta)
19:00 às 22:00 – Aula com o Mestre Camisa

Dia 21 de Maio (Sexta)
9:00 às 10:30 – Aula com o Mestre Camisa
11:00 às 12:30 – Aula com o Mestre Camisa
Intervalo
14:00 às 15:30 – Aula com o Mestre Camisa
16:00 às 17:30 – Aula com o Mestre Camisa
18:00às 22:00 – Palestra: “Prevenção ao Cancêr de Mama”

Dia 22 de Maio (Sábado)
9:00 às 10:30 – Aula com o Mestre Camisa
11:00 às 12:30 – Aula com o Mestre Camisa
Intervalo
14:00 às 16:00 – Palestra com o Mestre Camisa
17:00 às 22:00 – Seletiva dos Jogos

Dia 23 de Maio (Domingo)
9:00 às 13:00 – Final dos Jogos Femininos

Local:

CLUBE FLORESTA COUNTRY
Estrada do Bougainville, n°442
Itanhangá – Rio das Pedras – RJ

Informações Gerais

Entrada Liberada
Na sexta-feira para a palestra e durante todas as etapas dos Jogos

Categorias
Categoria A – Verde/Roxa a Marrom/Vermelha
Categoria B – Azul a Verde
Categoria C – Laranja a Laranja/Azul
Categoria D – Amarelo/Laranja

Campanha
“Prevenção ao Cancêr de Mama”

Acampamento e alimentação no local do evento

Inscrições
Início a partir de Março

Local: Todas as sexta-feiras no CIEP do
Humaitá com a Instrutora Lontra

Ou pelo e-mail:
lontraabadarj@hotmail.com

curso+competição: R$100,00
Curso: R$90,00
Competição: R$80,00

Mais informações no blog: jogosfemininosabada.wordpress.com

Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil

Fonte:  Abadá-Capoeira Blog Oficial

segunda-feira, 15 de março de 2010

Parque Memorial Quilombo dos Palmares

Há quem diga que a capoeira nasceu no Quilombo dos Palmares e, embora não se tenha informações precisas a respeito, não tenho dúvida de que todo capoeirista deveria conhecer a Serra da Barriga, localizada no município de União dos Palmares, em Alagoas. Cenário do maior e mais importante quilombo de todas as Américas, é um ótimo lugar para aprender, fora dos livros, mais sobre a história de luta dos negros pela liberdade.

Hoje, na Serra da Barriga, encontra-se o Parque Memorial Quilombo dos Palmares que, inspirado nas referências históricas, reproduz o estilo de vida existente na época dos quilombos, incorpora interpretações e as expressões culturais afro-brasileira e indígena, e instiga os visitantes à reflexão. A língua e os costumes africanos estão presentes desde a entrada, recebendo os visitantes com um Oku Abo (bem-vindos), e por todo o parque, que é o único com essa temática em toda a América Latina.

Mirantes com vistas privilegiadas, que serviam de observatórios para os negros, são um dos atrativos do parque, que também possui ocas indígenas, casa de farinha, terreiro de ervas, casa do campo santo, árvore sagrada, lagoa, e um restaurante, onde os visitates podem experimentar pratos que eram produzidos e consumidos pelos quilombolas quando chegaram à Serra da Barriga, em 1597, sob a liderança da princesa Aqualtune, avó de Zumbi.

Quem quiser saber mais, acesse o site do parque, que é bem completo e fala desde a história do Quilombo dos Palmares, até como chegar no parque e onde se hospedar.

Fonte: Capoeira de Vênus

sexta-feira, 12 de março de 2010

Concurso de Oscips com vistas a apoiar a Fase I das atividades de formulação e implantação do Pró-Capoeira

Programa Pro Capoeira05/03/2010
MINISTÉRIO DA CULTURA
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional
Departamento de Planejamento e Administração
Código da UASG: 343026
Concurso Nº 1/2010
Objeto: Seleção de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP.
Edital a partir de: 22/02/2010 das 09:00 às 12:00 Hs e das 14:00 às 17:30 Hs
Endereço: Setor Bancario Norte, Quadra 02. Bl.H Edificio Central Brasília 1ª andar. - Asa Norte - Brasília (DF)
Telefone: (0xx61) 20246243
Fax: (0xx61) 20246227

Entrega da Proposta: 08/04/2010 às 10:00Hs
Itens de Serviços  1 - Elaboração de Minuta de Edital para Concurso de Seleção de Projetos
Seleção de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP para a elaboração e execução de projeto técnico - estruturado na forma de um Programa de Trabalho - com vistas a apoiar a Fase I das atividades de formulação e implantação do Programa Nacional de Salvaguarda e Incentivo á Capoeira (Pró-Capoeira).
Primeira publicação em 24/02/2010
Fonte: MinC

Anexos:
 Edital - Concurso de Oscips

quarta-feira, 10 de março de 2010

Aqualtune

Dando continuídade a comemoração do Dia Internacional da Mulher, vai aqui um post sobre uma grande princesa guerreira africana.

Aqualtune Ezgondidu Mahamud da Silva Santos, conhecida por Aqualtune, era uma princesa africana filha do importante Rei do Congo, viveu no século XVII. Numa guerra entre reinos africanos, comandou um exército de 10 mil guerreiros quando os Jagas invadiram o seu reino.
Derrotada, foi levada como escrava para um navio negreiro e vendida ao Brasil, chegando no Porto de Recife, principal centro produtor de açúcar e entreposto comercial da América Portuguesa.

Comprada como escrava reprodutora e obrigada a manter relações sexuais com um escravo, para fins de reprodução, já grávida foi vendida para um engenho de Porto Calvo, no sul de Pernambuco, onde pela primeira conheceu então a trajetória de Palmares, um dos principais Quilombos negros durante o período escravocrata, e as histórias de resistência dos negros à escravidão, Nos últimos meses de gestação organizou a sua fuga e a de alguns escravos para aquele quilombo onde teve sua ascendência reconhecida já que Aqualtune era uma princesa, recebendo então o governo de um dos territórios quilombolas, onde as tradições africanas eram mantidas e cada mocambo organizava-se de acordo com suas próprias regras.
Este tinha uma grande dimensão territorial, com inúmeros povoados fortificados, onde os ex-escravos preparavam a organização de um estado negro naquelas terras. Mantinham a tradições africanas e seus ritos originais; assim o governo de cada localidade era dado aos que em sua terra tinham sido chefes.

Começou, então, ao lado de Ganga Zumba, seu filho, a organização de um Estado Negro, que abrangia povoados distintos, confederados sob a direção suprema de um chefe. Dois de seus filhos, Ganga Zumba e Gana Zona tornaram-se chefes dos mocambos mais importantes do quilombo. Aqualtune também teve filhas, a mais velha das quais, chamada Sabina, deu-lhe um neto, nascido quando Palmares se preparava para mais um ataque holandês. Por isso, os negros cantaram e rezaram muito aos deuses, pedindo que o Sobrinho de Ganga Zumba, e, portanto, seu herdeiro, crescesse forte. Para sensibilizar o deus da guerra, deram-lhe o nome de Zumbi. A criança cresceu livre e passou sua infância ao lado de seu irmão mais novo chamado Andalaquituche, em pescarias, caçadas, brincadeiras, ao longo dos caminhos camuflados, que ligavam os mocambos entre si. Garoto ainda, Zumbi conhecia Palmares inteiro. Passam-se os anos e Palmares tornou-se cada vez mais uma potência. Mais de 50.000 habitantes livres, distribuídos em vários mocambos. Zumbi cresceu e casou-se com Dandara."

A guerra comandada pelos paulistas para destruir o quilombo de Palmares é uma das páginas mais dolorosas da história do Brasil. Em 1677, a aldeia de Aqualtune, que já estava idosa, foi queimada pelas expedições coloniais. Não se sabe a data de morte de Aqualtune, mas os quilombolas permaneceram lutando até serem finalmente derrotados, em novembro de 1695, pela bandeira do paulista Domingos Jorge Velho.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Dia Internacional da Mulher

Pelo fato de eu ser homem, para o Dia Internacional da Mulher, nada como um post de mulher para mulher!! Como este feito por Neila Vasconcelos...

A todas as heroínas: Dia 8 de março, é comemorado o Dia Internacional da Mulher. A data foi oficializada pela Organização das Nações Unidas, fazendo referência às cerca de 130 tecelãs que morreram carbonizadas em uma fábrica, em Nova Iorque, ao reivindicar melhores condições de trabalho.

O mérito das tecelãs é indiscutível, mas o Dia Internacional da Mulher deve servir de homenagem também às tão esquecidas heroínas da nossa história, como Dandara e Aqualtune.
Deve homenagear cada heroína que encontramos hoje dentro da capoeira, mestra, formada ou aluna, cujas dificuldades e batalhas diárias, só elas conhecem.
Deve homenagear cada heroína que encontramos no trabalho, fortes, batalhadoras e dedicadas, buscando seu espaço no mundo.
Deve homenagear também cada heroína que encontramos dentro de casa, na família, que se vira em duas para cuidar da casa e dos filhos e, muitas vezes, ainda trabalhar fora.
Cada mulher sabe a heroína que mora dentro de si. Parabéns a todas!

Neila Vasconcelos - Venusiana

sexta-feira, 5 de março de 2010

Quadrinhos - Aú, o Capoeirista

 
Encontrei esse achado em minha viagens pela internet que é dedicado para quem gosta de capoeira e de histórias em quadrinhos. Muito interessante esse tipo de iniciativa para provar que no Brasil existe tanto talento escondido para tantas formas de arte que nem conseguimos imaginar!

SINOPSE

Aú, é um capoeirista adolescente, alegre e hospitaleiro como todos os baianos. junto com seu miquinho de estimação, Licuri, nosso herói investiga o desaparecimento de Nathalie, uma garota francesa sequestrada no Pelourinho ao precenciar o início de um incêndio criminoso. Sua investigação o leva à ilha particular do misterioso Armando Confusionni. Nosso herói encontrará Nathalie? Conseguirá libertá-la? Numa história cheia de aventura, humor e uma certa dose de romance (Por que não?) Aú percorre as ladeiras do Pelô, e outros pontos da cidade de Salvador, com direito a uma eletrizante perseguição de Jet Skis nas águas da Baía de Todos os Santos.

No site Aú, o Capoeirista você encontra mais informações sobre a obra, o autor e os personagens.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Novidades do Pró-Capoeira

O IPHAN lançou esta semana o edital para a contratação da chamada Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) para a elaboração e execução do projeto técnico para a primeira fase da formulação e implementação do Programa Nacional de Salvaguarda e Incentivo à Capoeira, o Pró-Capoeira.

Entre outras ações, fase I da formulação e implantação do Pró-Capoeira engloba a elaboração da página da web do Pró-Capoeira e a organização, divulgação e realização de três encontros regionais.


Os interessados podem baixar o edital no site do IPHAN.

É a segunda notícia que chega a respeito do Programa Pró-Capoeira. A primeira foi sobre a abertura do Cadastro Nacional da Capoeira, que continua em vigência.

É bom ver que as coisas estão caminhando. E é importante ficar ligado.

Fonte: Capoeira de Vênus

segunda-feira, 1 de março de 2010

O Desenvolvimento Sensório-Motor na Primeira Infância - Piaget & Capoeira

Alunos na roda: à esquerda Ivan (Down 45 anos) à direita Vitinho (Infantil 03 anos)

Conhecendo as Teorias de Piaget para a Prática da Capoeira

Muito tem se discutido, em relação a melhor maneira de desenvolver a motricidade na criança. Encontramos na literatura uma série de artigos e publicações que sugerem abordagens diferentes e conteúdos específicos para se atingir o desenvolvimento motor e sensorial. Não se pode, segundo experiências no trabalho com crianças da educação infantil, se valer de um único método e assim de uma abordagem específica para atingir estes desenvolvimentos nas crianças. Cabe sim, um conhecimento das situações que são propostas por cada uma delas e uma visão que amplie a área de atuação do professor e possibilite novas estratégias para se lidar com o problema da construção motora.

Sabemos que a rua ainda é uma preciosa escola na formação motora da criança.

Especialmente nas regiões interioranas (em se tratando de Brasil) onde o fluxo de automóveis e a violência ainda não são comuns como nas grandes metrópoles. A criança que na rua empinou uma pipa, rodou um peão, vivenciou tradições em brincadeiras, saltou, correu, escondeu-se, e pilotou o seu carrinho de corridas, certamente já possui um repertório motor mais diverso em relação à criança que se criou dentro de um apartamento e vivenciou mais a TV e o computador do que a rua e as suas magias e complexidade de jogos e brincadeiras que ela sugere naturalmente. Com isso, muitas vezes as crianças chegam às pré-escolas com uma deficiência enorme no seu repertório motor, cabendo ao educador que trabalha o físico, diagnosticar este fenômeno e trabalhar no sentido de minimizar este problema.

FREIRE (1996) destaca em relação ao desenvolvimento motor que a psicologia infantil e depois a psicomotricidade, dedicaram parte de seus trabalhos a descrição dos movimentos que as crianças realizam ao longo de seu desenvolvimento, muitas vezes, contudo, desconsiderando aspectos fundamentais desse desenvolvimento como o cultural e o social. Ou seja, as análises pautam-se muito por aquilo que se supõe existir internamente em cada individuo do que por aquilo que lhe falta e é exterior a ele. Resumindo, o que quero dizer é que não acredito na existência de padrões de movimentos, pois, para tanto, teríamos que acreditar também na padronização do mundo.

Constato isso sim, a manifestação de esquemas motores, isto é, de organizações de movimentos construídos pelo sujeitos, em cada situação, construções essas que dependem, tanto dos recursos biológicos e psicológicos de cada pessoa, quanto das condições do meio ambiente em que ela vive. E se não vivenciaram situações de corrida, rolamentos, construção dos próprios brinquedos e demais processos naturais do cotidiano das brincadeiras de rua, porque não trazer este universo para dentro das escolas de educação infantil e assim possibilitar a todos a ampliação do seu repertório motor e seus esquemas, como sugerido na crônica enviada a este portal anteriormente denominada “Do Giga Byte ao Pandeirinho” tratando da questão de isolamento tecnológico em contrapartida à educação através da prática da capoeira.

Portanto, ao descrever qualquer ação, qualquer movimento, não podemos deixar de considerar, que o ser humano é uma entidade que não se basta por si. Parte do que ele precisa para viver não esta nele, mas no mundo fora dele. Como afirma MANUEL SERGIO, citado por FREIRE (2003) o homem é um ser carente, pois lhe falta parte do que precisa para compor a vida. Nem se quer para o simples ato de respirar ele se basta, necessita para isto do oxigênio da atmosfera.

Boa parte das descrições do desenvolvimento infantil, referem-se aos atos de pegar, engatinhar, sugar, andar, correr, saltar, girar, rolar e assim por diante, movimentos que constatamos em quase todas as crianças. O que se espera é que as crianças possam, da melhor forma possível, apresentar em cada período de vida uma boa qualidade de movimentos, de acordo com certos modelos teóricos apresentados, ou seja, que aos três anos, por exemplo, corram ou andem com certa habilidade, que saltem de uma certa forma aos quatro anos, rolem de tal maneira aos cinco e assim por diante. É claro que é desejável que todos tenham habilidades bem desenvolvidas, mas o risco que se corre é o de se estreitar à visão para o problema, destacando o ato motor como alguma coisa que ocorre unilateralmente.

E sabemos que não é exatamente assim que devemos agir dentro da construção das habilidades desenvolvidas nas crianças. Nós professores somos responsáveis por propor, interagir e abrir espaço para auxiliar a criança neste processo e fazer com que isto se torne uma “via de mão dupla” com erros e acertos com perguntas e respostas.

Se não resta dúvidas de que devemos respeitar o estágio em que a criança se encontra em relação ao seu desenvolvimento global, somos responsáveis por identificar estas etapas e assim estabelecer a pedagogia correta no ensino corporal da capoeira aos nossos alunos. Muitos educadores, baseiam-se nas teorias de Piaget para que se crie base na elaboração dos planejamentos de suas aulas dentro da educação das crianças.

PIAGET (1982) em seus estudos sobre crianças, descobriu que elas não raciocinam como os adultos. Esta descoberta o levou a recomendar aos adultos que adotassem uma abordagem educacional diferente ao lidar com crianças. Ele modificou a teoria pedagógica tradicional que, até então, afirmava que a mente de uma criança é vazia, esperando ser preenchida por conhecimento. Na visão de Piaget, as crianças são as próprias construtoras ativas do conhecimento, constantemente criando e testando suas teorias sobre o mundo. Ele forneceu uma percepção sobre as crianças que serve como base de muitas linhas educacionais atuais.

De fato, suas contribuições para as áreas da Psicologia e Pedagogia são imensuráveis. A essência do trabalho de Piaget ensina que ao observarmos cuidadosamente a maneira com que o conhecimento se desenvolve nas crianças, podemos entender melhor a natureza do conhecimento humano. Suas pesquisas sobre a psicologia do desenvolvimento e a epistemologia genética tinham o objetivo de entender como o conhecimento evolui.

Piaget formulou em 1923 sua teoria de que o conhecimento evolui progressivamente por meio de estruturas de raciocínio que substituem umas às outras através de estágios. Isto significa que a lógica e formas de pensar de uma criança são completamente diferentes da lógica dos adultos. Em muitos casos, acaba-se por desprezar esta crescente do conhecimento infantil e ao invés de buscar a solução racional de um problema que poderá surgir durante as aulas, apenas repreende-se violentamente esta criança sem respeitar a sua individualidade e a sua capacidade de transformação cognitiva. Vimos por muitos anos isto acontecer dentro do ambiente de ensino da capoeira e das mais diversas modalidades, muitas vezes por arrogância outras por simples falta de conhecimento no assunto. É de grande importância a nós, educadores físicos, conhecermos sobre os estudos de Piaget e assimilarmos a sua teoria que divide em fases, o desenvolvimento das crianças. Fases estas que são:

Fase 1: Sensório-motor

No estágio sensório-motor, que dura do nascimento ao 18º mês de vida, a criança busca adquirir controle motor e aprender sobre os objetos físicos que a rodeiam. Esse estágio se chama sensório-motor, pois o bebê adquire o conhecimento por meio de suas próprias ações que são controladas por informações sensoriais imediatas.

Fase 2: Pré-operatório

No estágio pré-operatório, que dura do 18º mês aos 8 anos de vida, a criança busca adquirir a habilidade verbal. Nesse estágio, ela já consegue nomear objetos e raciocinar intuitivamente, mas ainda não consegue coordenar operações fundamentais.

Fase 3: Operatório concreto

No estágio operatório concreto, que dura dos 8 aos 12 anos de vida, a criança começa a lidar com conceitos abstratos como os números e relacionamentos. Esse estágio é caracterizado por uma lógica interna consistente e pela habilidade de solucionar problemas concretos.

Fase 4: Operatório formal

No estágio operatório formal – desenvolvido entre os 12 e 15 anos de idade – a criança começa a raciocinar lógica e sistematicamente. Esse estágio é definido pela habilidade de engajar-se no raciocínio abstrato. As deduções lógicas podem ser feitas sem o apoio de objetos concretos. No estágio das operações formais, desenvolvido a partir dos 12 anos de idade, a criança inicia sua transição para o modo adulto de pensar, sendo capaz de pensar sobre idéias abstratas. Segundo nossas experiências com aulas dentro da educação física infantil, algumas crianças demonstram, com maior rapidez o processo gradativo de evolução de seus conhecimentos. Na maioria dos casos são hiper ativos e necessitam de uma maior atenção por parte do professor e em outras vezes demonstram atitudes comportamentais diferenciadas. Ou são muito calmos e preferem isolar-se ou são de fato muito agitados e inquietos.

No geral, o comportamento das crianças, segue a teoria estabelecida em 1923 por PIAGET e evoluem de maneira lógica e igualitária. Os seus conhecimentos vão se tornando cada vez mais complexos e o educador contribuirá, através de estímulos, com este desenvolvimento. Seja ele motor, afetivo, sensorial ou psicológico. Neste sentido a capoeira se torna uma bela ferramenta para o desenvolvimento das mais diversas habilidades, cabendo ao educador sempre se situar dentro da fase que determinada criança vive naquele determinado momento.

Texto: Professor Beija-Flor (Ricardo Costa)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...